Pelas 11 horas do dia 5 de Outubro de 1910, a proclamação da República foi solenemente declarada da varanda dos Paços do Concelho de Lisboa.

O resto do país, devido às grandes limitações dos meios de comunicação da época, tardou em conhecer a boa nova.

Por via do telégrafo a noticia chegou à cidade do Porto no dia seguinte e, em outras terras, vários dias depois. Algumas só no dia 16 de Outubro conheceram a revolução de Lisboa que pôs fim à Monarquia.

Em Fafe foi o próprio director do semanário “O Desforço”, Artur Pinto Bastos que trouxe a notícia da proclamação da República da cidade do Porto.

Na pacata vila de então, poucos acreditavam no sucesso da revolução, até porque nem todos eram republicanos e as informações eram divergentes.

Foi assim, com quatro dias de atraso, em Domingo 9 de Outubro de 1910, que Fafe improvisou os festejos da implantação da República.

Diz o jornal “ O Desforço” …”eram 3 horas certas da tarde quando a Comissão entrou no edifício dos Paços do Concelho.

Já uma música tocava a «Portuguesa» e a República era acclamada pelos populares. E dirigindo-se às dependências da Administração foi acto continuo lido pelo secretário da mesma snr. Arthur Teixeira da Silva e Castro o auto da posse, investindo na delegacia do governo provisório nesta villa o snr. Dr. Gervásio Domingues D’Andrade”.

Enquanto decorria a cerimónia, fora do edifício dos Paços do Concelho, na actual Praça 25 de Abril, no meio de muitos vivas, duas bandas tocavam a «Portuguesa», ainda provisória.

Com a Câmara apinhada de populares e o Largo da Vila repleto de gente, José Summavielle Soares fez a proclamação da República de uma das varandas.

Depois, os proclamadores saíram para a rua recebendo entusiásticas saudações das ilustres damas de Fafe, que agitavam lenços e atiravam flores.

“A manifestação terminou em frente á bandeira içada na casa da câmara, onde começou. Quando se hasteou a bandeira, o dinamite estrondou nos ares com profusão”.

A Sociedade de Recreio de Fafe hasteou a sua bandeira, cujas cores são as actuais cores da bandeira nacional, que também foi hasteada no Clube Fafense, no Correio”, noutros locais públicos e em casas particulares de republicanos.

Foi desta forma que “O Desforço” retratou a proclamação da República em Fafe, faz esta terça-feira dia 9, precisamente 106 anos.

 

Jesus Martinho